O treinamento de professores dificulta o acesso às escolas no Brasil!

Muitos cresceram com livros e filmes de Harry Potter. Na verdade, é difícil encontrar alguém que não tenha sido cativado por esse universo mágico de magias, poções e personagens fantásticos. O hobby para este mundo atingiu níveis inimagináveis, desde a criação de parques temáticos até elfos tatuadores, hipopótamos e frases alusivas.

Mas além do amor que existe para este universo e seus personagens, o hobby levou a criar uma escola em ba em inspirada em Hogwarts, a escola de magia e bruxaria onde a maioria das situações ocorrem nos livros. Inaugurado em 2015, o “Hogwarts brasileiro” realizou em agosto deste ano seu quinto dia de imersão em um castelo a 200 quilômetros de São Paulo em Campos do Jordao.

Qual a inspiração de J. K. Rowling

Embora inspirado pelo escritor britânico J. K. Rowling, esta instituição tem um toque local. “A idéia desde o início era adaptar e não reproduzir exatamente a estética de Hogwarts. Nós não poderíamos mesmo fazê-lo por questões de direitos autorais “, diz Vanessa Godoy, de 27 anos, responsável pela criação desta escola.

J. K. Rowling

“Nós temos nossas próprias histórias, os personagens são nossos e abordamos nossa mitologia um pouco, porque o Brasil é um país muito mágico”, acrescenta. Os alunos recebem aulas de poções, feitiçaria e história mágica, além de participar de danças, questionários e até mesmo um campeonato estelar estelar de Hogwarts, Quidditch.

Ao misturar a feitiçaria do universo de Harry Potter com o folclore brasileiro, os alunos aprendem, por exemplo, que o cabelo curupira – um ser mitológico que protege a floresta amazônica – e as escamas de Iara – uma espécie de sereia que seduz os pescadores – são excelentes catalisadores para suas varinhas mágicas.

Esses cursos, que duraram quatro dias, custam cerca de 2.650 reais (mais de dois milhões e meio de pesos colombianos) por pessoa. Os participantes são entre 5 e 65 anos, embora a maioria sejam jovens de 25 anos que cresceram lendo esta saga.

Os estudantes são muito diversos. Modelos, pedagogos, enfermeiros, estudantes, etc. participaram. Mas todos se juntam a uma paixão: Harry Potter. “Quando entramos no castelo, é como se o mundo exterior deixasse de existir.

Sonho de infância

Nós deixamos o mundo “muggle” para mergulhar nos magos e tudo se torna real “, diz Zerzil Ferreira, um médico de 29 anos de Minas Gerais. De acordo com Ferreira, graças a esta escola de magia, ele conseguiu perceber seu sonho de infância de fazer parte desse universo.

J. K. Rowling

Como nos livros, os alunos desta escola estão divididos em quatro casas: Tigres, Serpentes, Esquilos e Águias que competem por pontos para serem os melhores. Para cada atividade, cerca de 100 participantes acumulam pontos e no final, o vencedor recebe o Cup of Houses.

Por outro lado, no tempo livre, os alunos podem nadar em uma piscina ou ter cerveja de manteiga em uma taberna inspirada na saga. Por sua vez, os alunos competem no torneio de Quadribol, o esporte adaptado dos livros e na vida real é uma espécie de mistura entre rugby e handball, onde as bruxas perseguem e esquivam bolas montadas em vassouras.

https://twitter.com/Tflagnicolas/status/892791364634726400

Por outro lado, os trabalhadores desta escola são atores que vivem com os alunos por 24 horas sem deixar seu personagem. “Você precisa entrar em seu personagem. Se você é um estudante aprendendo a ser uma bruxa, você deve respeitar os professores e as regras. Isso torna a experiência mais real “, conclui Renie Santos, criadora de ‘Hogwarts Expresso’, o segundo maior canal do YouTube em Harry Potter no mundo.